Emprego

Campinas: cidades da região de perdem vagas na construção civil

Nos primeiros seis meses do ano setor demitiu mais de 1600 trabalhadores. Recuperação depende de estabilidade político-econômica

Por Juliano Amorim 10/08/2017 17:54:17

O setor da construção civil na região de Campinas não apresenta bons resultados para o primeiro semestre de 2017. Dentre as oito cidades pesquisadas, apenas três apresentaram saldo positivo em vagas com carteira assinada.

Paulínia, Campinas e Valinhos fecharam o semestre com índices de 6,43%, 2,65% e 1,18%, respectivamente. As maiores quedas ficaram com Piracicaba, 11,45%; Indaiatuba, 7,79%; e Limeira, 7,25%. Americana e Rio Claro também registraram índices negativos: -1,88% e -0,34%, em sequência.

Os dados são da pesquisa realizada pelo SindusCon-SP em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), com base em informações do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE).

“Enquanto o governo não acertar suas decisões econômicas e políticas, não teremos horizonte para recuperar os investimentos e o emprego na construção”, explica o diretor da regional do SindusCon-SP em Campinas, Marcio Benvenutti.

“A inflação dos últimos 12 meses foi a menor desde 1999, e abaixo do piso da meta. Inflação baixa demais também é um risco e pode indicar uma economia fraca e desaquecida em razão do baixo consumo. É preciso cautela”, alertou Benvenutti.

No mês de junho, todas as oito cidades pesquisadas na região tiveram índices negativos (veja na tabela). Já em comparação com o mesmo período de 2016, em 12 meses, apenas Paulínia registrou alta, com 2,79%.

Emprego Campinas
Nacional
O emprego na construção civil brasileira caiu 0,39% em junho na comparação com maio e chegou ao 33º mês de baixa consecutiva. No período 9.675 pessoas perderam seus empregos, o que diminuiu o estoque de trabalhadores para 2,457 milhões (em outubro de 2014, primeiro mês de variação negativa, o estoque era de 3,57 milhões). Na comparação com junho de 2016, a diferença é de – 11,37%. Desconsiderando os efeitos sazonais*, a queda é de 0,61% em junho (-15.113).

A queda do nível de emprego na indústria da construção pelo 33º mês consecutivo é consequência da retração persistente dos investimentos de longo prazo, na avaliação de José Romeu Ferraz Neto, presidente do SindusCon-SP. “A crise política continua tirando o apetite dos investidores privados. E os investimentos do setor público seguem em declínio, com a baixa arrecadação motivando novos contingenciamentos nos orçamentos de governo”, comenta.

Para o presidente do SindusCon-SP, continuar a trajetória de redução dos juros, fazer avançar as reformas, racionalizar os gastos públicos e impulsionar as concessões e as parcerias público-privadas poderão reverter este quadro no futuro. “Mas os sucessivos sobressaltos na esfera política dificultam a agilidade e a eficiência destas ações”, lamenta.

Segmentação
Em junho, na comparação com maio, os segmentos que mais apresentaram queda foram Obras de acabamento (-0,85%) e Obras de instalação (-0,82%). Apresentaram alta no mês Infraestrutura (0,64%) e Engenharia e Arquitetura (0,40%).

Em 12 meses, as maiores baixas são Imobiliário (-14,88%), Obras de acabamento (-12,55%) e Preparação de terreno (-11,60%).









Rua Dona Veridiana, 55

Santa Cecília,

São Paulo,

01238-010

(11) 3334-5600

sindusconsp@sindusconsp.com.br



Rua Dona Veridiana, 55

Santa Cecília,

São Paulo,

01238-010

(11) 3334-5600

sindusconsp@sindusconsp.com.br