Trabalhadores da construção civil de Mogi das Cruzes e região têm reajuste de 8,01% desde 1/5


Os presidentes do SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo), Sergio Watanabe, e do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Mogi das Cruzes, Josemar Bernardes André, assinaram em 17 de junho Convenção Coletiva de Trabalho relativa à data-base de 1º de maio.

As disposições da convenção deverão valer para Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá, Santa Isabel e Suzano.

Os trabalhadores tiveram reajuste salarial de 8,01%. Os pisos passaram a ser os seguintes:

Trabalhadores não qualificados –servente, contínuo, vigia, auxiliares de trabalhadores qualificados e demais trabalhadores cujas funções não demandem formação profissional: R$ 829,40 mensais ou R$ 3,77 por hora, para 220 horas mensais.

Trabalhadores qualificados –pedreiro, armador, carpinteiro, pintor, gesseiro e demais profissionais qualificados não relacionados: R$ 990,00 mensais, ou R$ 4,50 por hora, para 220 horas mensais.

Trabalhadores qualificados em obras de montagem de instalações industriais: R$ 1.210,00 mensais ou R$ 5,50 por hora, para 220 horas mensais.

O valor do tíquete-refeição subiu para R$ 12,50. A cesta básica manteve-se em 36 quilos, e a partir de agora as empresas deverão entregá-la no domicílio do trabalhador até o dia 10 de cada mês. Alternativamente, as empresas poderão conceder tíquete-supermercado / vale-supermercado / cheque-supermercado, equivalente à cesta básica.

Além do café da manhã, as empresas deverão fornecer aos trabalhadores ligados diretamente à produção lanche da tarde (um copo de leite, café e um pão tipo francês com margarina) entre 15 horas e o término da jornada de trabalho, a critério do empregador. Tratando-se do café da manhã e o do lanche da tarde, a parte não subsidiada pela empresa não poderá ser superior a 1% do salário hora do trabalhador.

Na ocorrência de morte ou invalidez permanente por acidente de trabalho, a empresa deverá pagar aos dependentes legalmente identificados perante o INSS uma indenização mínima de R$ 30 mil reais. A empresa que mantiver seguro de vida em grupo para os seus empregados ficará isenta desta indenização.

Os empregadores fornecerão gratuitamente a seus empregados dois jogos de uniforme, conforme padrão definido pelas empresas. Sempre que houver necessidade, os uniformes deverão ser substituídos. O trabalhador fica obrigado a devolver os danificados no estado em que se encontrarem, sob pena de o valor respectivo ser reduzido de sua remuneração. Na rescisão do contrato de trabalho, os uniformes deverão ser devolvidos à empresa no estado em que se encontrarem, sob pena de desconto do seu valor.

A contribuição obrigatória ao Seconci-SP das construtoras e de suas subcontratadas é de 1% do valor bruto das folhas de pagamento, incluindo a folha do 13ª salário, de seus empregados, estagiários e demais postos de trabalho, respeitada a contribuição no valor mínimo de R$ 100,00 mensais.

A diferença salarial relativa a maio/2010, decorrente da aplicação do reajuste ora pactuado, deverá ser paga na folha de pagamento de julho de 2010, de forma destacada, sob o título “DIFERENÇA CONVENÇÃO COLETIVA 01/05/2009 a 30/04/2010”.

Continuam em vigor as demais disposições da convenção coletiva firmada em 2009, como a obrigatoriedade do fornecimento de protetor solar, o valor das horas extras, as exigências para a contratação de subempreiteiros e o banco de horas.















                    Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo
                    Sede: Rua Dona Veridiana, 55 - 01238-010 - Higienópolis - São Paulo - SP
                    Telefone: (11) 3334 5600 / 3224 0566   -   Fax: 3334 5689 / 3224 8266