Tecnologia e Qualidade

Seminário BIM: representante do Plano BIM no Chile fala da experiência de implantação da ferramenta no país

Em entrevista ao site do SindusCon-SP, assessor Harry Lagunas conta como participação do governo tem sido importante

Por Redação SindusCon-SP 21/10/2016 16:25:18

SindusCon-SP: O governo enfrentou resistência quando decidiu estabelecer um prazo para que todas as suas obras fossem modelados em BIM?

Harry Lagunas: A resposta geral da indústria tem sido boa, como não há consenso sobre o diagnóstico e lacunas. Tanto que no início deste ano foi assinado um acordo para conduzir o Plano, onde as organizações públicas e privadas diferentes concordou em aumentar a produtividade e sustentabilidade – social, económico e ambiental – da indústria da construção, através da incorporação de processos , métodos e tecnologias de informação e comunicação, trabalhando para promover a modernização deste, um dos quais é a incorporação do BIM. As organizações que assinaram o acordo são:

• Ministério das Obras Públicas
• Ministério da Habitação e Desenvolvimento Urbano
• Ministério da Economia
• Ministério da Fazenda
• CORFO (CORFO)
• Câmara Chilena da Construção
• Instituto de Construção

Além disso, o mandato considera que a implementação gradual da exigência de BIM para projetos públicos, começando 2017-2020 para alcançar incorporando progressivamente diferentes instituições públicas.
Um elemento-chave desta posição favorável é que a indústria reconhece como positiva a padronização e uniformidade na aplicação de cada ministério ou instituição pública. Assim, cada consultor ou empreiteiro vai saber que a exigência de ser consistente e permanente, com o mesmo padrão, organização pública independente que exige. Este será implementado com a elaboração de um padrão nacional para o desenvolvimento de projetos de construção pública ou infra-estrutura.
Além disso, também há dúvidas sobre sectores industriais lacunas nas capacidades e como superá-los. Portanto, o mandato foi concebido como uma estratégia do Plano gradual cada ministério e incorporação instituição pública. Para conseguir isso, vamos trabalhar com as instituições com um forte foco na metodologia, reconhecendo e levantando mapas de processos de projetos atuais de cada organização, em seguida, incorporar BIM neles, a compreensão de como BIM pode ajudar a responder perguntas-chave em cada fase da mesma.
Com base no exposto, que está trabalhando em paralelo com a indústria para comunicar o Plano e por sua vez para envolver os diferentes atores deste, através de oficinas, palestras e seminários, alcançando assim um processo participativo nesta implementação. Também está planejando uma estratégia para apoiar as empresas na sua implementação do BIM.
Ao mesmo tempo, ele também visa melhorar as capacidades do capital humano em resposta a este pedido do Estado, com o trabalho paralelo com o mundo da academia (universidades, institutos e centros de formação técnica), de modo a incorporar esse conhecimento nos programas acadêmicos de diferentes categorias profissionais. Além disso, vai ser gerido e gerar a formação dos profissionais existentes na indústria.

– De que forma o Brasil pode se espelhar na experiência chilena na adoção de BIM?
A: Cada país tem sua própria realidade, por isso, é muito importante fazer um diagnóstico correto, conhecer o contexto da indústria local e as suas práticas, a fim de detectar quais as lacunas para cobrir.
Por exemplo, no Chile estamos seguindo a experiência do Reino Unido na implementação BIM a nível governamental, adaptando-se à nossa realidade econômica e cultural. Alguns elementos que acreditamos ter sido fundamental no avanço do nosso Plano são:
• Ter um suporte na gestão ou direção de organizações públicas (ministros)
• Ter um líder BIM dentro de cada organização (Ministério)
• Uma equipe dedicada a promover e facilitar o apoio à implementação BIM cada organização
• Foco na metodologia da tecnologia
• A criação e/ou adaptação de normas
• neutralidade no uso de software, promovendo o uso de informação interoperáveis ​​entre diferentes plataformas e especialidades da indústria

– Como o país foi capaz de acelerar o processo de implantação desta ferramenta?
A: A adoção do BIM no país tem sido lento, mesmo a estagnar nos últimos anos. A pesquisa realizada pela Universidade do Chile em 2013 mostra que 23% dos profissionais da indústria era um usuário regular do BIM, e a mesma pesquisa realizada em 2016, mostra que esse percentual caiu para 22%. Esta é uma das razões pelas quais foi a oportunidade de usar o poder de compra do Estado para gerar uma promoção no uso desta metodologia, a fim de melhorar o processo, melhorar a produtividade e obter uma melhor utilização de recursos fiscais, para que possa executar mais e melhor infra-estrutura pública com o mesmo investimento. Assim, quando o estado que exige concursos públicos BIM em design, construção e / ou de construção de infra-estrutura ou concessões, deverá gerar um incentivo para a indústria a adotar essa forma de trabalhar.

– É possível apontar os benefícios?
A: A estratégia do Plano BIM está atualmente em desenvolvimento, por isso estamos na definição e execução palco e ainda não têm medido indicadores para avaliar os benefícios. No entanto, desde que começou a levantar a linha de base do Ministério das Obras Públicas para identificar a percentagem média de atraso na entrega de projetos, a percentagem média dos custos do projecto e do número médio de alterações nos contratos projetos. Este informações de rastreamento mais pilotos a serem recrutados no ano de 2017, nos permitem medir os primeiros resultados e demonstrar os benefícios iniciar projetos.
A experiência do Reino Unido nos diz que entre 2009 e 2015, os custos de construção dos seus projectos públicos entre 12% e 20% através do uso de BIM foram reduzidos.









Rua Dona Veridiana, 55

Santa Cecília,

São Paulo,

01238-010

(11) 3334-5600

sindusconsp@sindusconsp.com.br



Rua Dona Veridiana, 55

Santa Cecília,

São Paulo,

01238-010

(11) 3334-5600

sindusconsp@sindusconsp.com.br